‘A Casa do Dragão’ tenta levar a sério a dor de suas mulheres

2022/09/06
A Casa do Dragão

No episódio da estreia do drama da HBO- e que está disponível gratuitamente no apk Youcine– mostra as graves consequências de homens tomando decisões na vida das mulheres. A série abre com uma cena de sucessão contestada. No ano 101 d.C., 182 anos antes do nascimento de Daenerys Targaryen , o rei Jaehaerys I chama os senhores de Westeros para Porto Real para testemunhar o anúncio oficial de seu sucessor. Tanto seu filho quanto seu irmão morreram, deixando a dinastia sem um herdeiro masculino. 

E em vez de nomear o próximo da fila – sua neta Rhaenys Targaryen (Eve Best), filha única do filho mais velho do rei – como rainha, Jaehaerys escolhe o filho de seu segundo filho, Viserys (Paddy Considine), para governar. É uma decisão que dá o tom para o episódio de estreia da antecedente de Game of Thrones da HBO , e também claro, para o destino de toda a dinastia Targaryen .

Vista como a“A Rainha que Nunca Foi”, Rhaenys aceita seu destino com bastante apreço. Passando-se 9 anos, achamos mais três mulheres cujas existências são definidas em relação aos homens, sejam eles pais, maridos ou filhos. Rhaenyra Targaryen (Milly Alcock, no 1° episódio) é a filha mais velha – e, no momento, única – do rei, que sempre achou que desapontou seu pai somente por ter nascido mulher. Ela não gosta em particular do estilo de vida da corte e tem um sonho em cavalgar para a glória na batalha nas costas de seu dragão. Isso verdadeiramente não importa, porque o poder é muito generificado em Westeros.

O Parto

Como a mãe de Rhaenyra, Lady Aemma Arryn (Sian Brooke) diz a Rhaenyra no episódio, “o parto é o nosso campo de batalha”. O poder de Aemma — e, portanto, de sua filha — está em sua capacidade de engravidar e ter um herdeiro homem. Mas, como Aemma diz ao marido pouco antes de entrar em trabalho de parto, “este será o último”. Ela passou por diversos natimortos e abortos espontâneos, e seu corpo não aguenta mais gestações. E então, assim ela deixa de ter valor para o reino, como é ilustrado na cena mais sangrenta de um episódio que é de fato cheio delas.

Você está lendo esse artigo e tem interesse em assistir a está série , mas se pergunta: Como faço para assistir filmes de graça na internet? Ou séries ? Simples, baixe o apk gratuito em seu android , TV Box, Smart TV e curta tudo de graça!

A Casa do Dragão

Ao mesmo tempo em que Aemma tenta dar à luz um bebê que está de nádegas (ou seja, está virado com os pés para baixo em vez da cabeça, uma complicação comum , porém perigosa), o meistre puxa o rei de lado e lhe diz que é “hora de fazer uma escolha impossível”. E agora ? Quem viverá e quem morrerá? O que é mais importante é: o potencial de um menino, ou a mulher adulta real gritando de dores a poucos metros de distância? Muito intrigante e significativamente, mas ninguém pergunta a opinião de Aemma sobre o assunto.

Ela fica muito surpresa e bem aterrorizada quando o marido se ajoelha ao lado dela, mexe em seus cabelos e diz para ela não ter medo, e a cena para o meistre começar a cortar. Aemma morrerá quando o meistre fizer uma cesariana medieval nela, cortando direto seu estômago com a anestesia que ele poderia administrar “sem machucar a criança”. (Dá a entender que Aemma também não foi consultada sobre.) A expressão facial de Viserys é de alivio quando o meistre lhe diz que a criança é um menino. Então, o sacrifício valeu a pena – pelo menos, até o menino falecer também.

Um close é dado na câmara e aparece sangue pingando das mãos do meistre vai aumentando o sangue enquanto ele corta para frente e para trás entre a violência do assassinato por cirurgia de Aemma e o derramamento de sangue do torneio acontecendo fora dos muros do castelo – um torneio colocado de maneira irônica, em homenagem ao menino. Uma vez que o ato horrível está feito, Sapochnik recua para uma tomada de cima do corpo mutilado de Aemma espalhado na cama escuros de sangue, deixando um quadro sinistro. A justaposição de gênero da justa, com suas lanças e machismo gritante, com o sangue e a dor do parto é muito intencional: no mês passado, Sapochnik contou ao The Hollywood Reporter, “Nos tempos medievais, dar à luz era violência. É o mais perigoso possível. Temos vários nascimentos na série e basicamente decidimos dar a eles temas diferentes e explorá-los de diferentes perspectivas da mesma forma que fiz para várias batalhas em Thrones .”

Em ‘A Casa do Dragão ’ , as mulheres são soldados de infantaria que relutam, sendo enviados nas linhas de frente das batalhas dos homens. Mais tarde no episódio, a decisão de Viserys de tornar Rhaenyra sua herdeira é motivada mais por sua raiva em relação a seu irmão Daemon Targaryen (Matt Smith) do que por acreditar nas habilidades de Rhaenyra. E Otto Hightower (Rhys Ifans) tem segundas intenções óbvias para enviar sua filha Alicent (Olivia Cooke) para a cabeceira do rei em luto para “confortá-lo”. (De fato um casamento entre Alicent e Viserys seria verdeiramente bastante vantajoso – para o pai dela). Ambos os homens estão colocando suas reputações e sentimentos acima da felicidade e segurança de suas filhas, porque ambos vêem essas meninas como propriedade e que podem fazer com elas o que quiserem.

A Casa do Dragão

Mesmo que ocorra em um contexto de fantasia, essa visão das mulheres como propriedade dos homens em suas vidas, que podem decidir se essas mulheres vivem ou morrem sem que elas tenham voz no assunto, é muito presente em nosso mundo. E também não é uma relíquia da era medieval: é uma questão que se tornou assustadoramente tangível no Brasil , EUA por exemplo nos últimos tempos, a qual a revogação de Roe v. Wade já levou grávidas a serem negadas a terem cuidados médicos que podem salvam vidas, arriscando infecções , hemorragias e mortes porque um grupo de legisladores decidiu priorizar a possibilidade de que seu feto pudesse sobreviver a eles.

‘A Casa do Dragão’ mostra o que ocorre quando mulheres são tratadas com incubadoras. Esta é a norma em Westeros, um reino cujos costumes e atitudes são baseados no mundo igualmente odioso às mulheres da Europa medieval.  Na mesma entrevista relatada ao  ‘Hollywood Reporter’ , Sapochnik disse valentemente que ‘A Casa do Dragão’ não “se coíbe” de retratar a violência contra as mulheres.

Se você gostou deste artigo, não perca a oportunidade de assistir está série gratuita no aplicativo grátis Youcine. Baixe ele em seu android, Smart TVLG, TV Box chame os amigos e confira!

guest
0 COMENTÁRIOS
Inline Feedbacks
View all comments